Notícias

Alunos do Curso de Ciências Biológicas visitam o Museu de História Natural

 

07 de novembro de 2017
 


No último sábado do mês de outubro, os alunos do Curso de Ciências Biológicas realizaram a visita ao Museu de História Natural de Taubaté - SP, acompanhados pelos professores Laiz Furlan Balioni, Pamela Duarte dos Santos e Gustavo Rodrigo Thomazini.

Os alunos foram honrados com a monitoria do professor e pesquisador Herculano M.F. Alvarenga - Presidente do Conselho Superior da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, Diretor-Presidente da Fundação de Apoio à Ciência e Natureza (FUNAT) e do Museu de História Natural de Taubaté. Autoridade no assunto, o pesquisador conhecido mundialmente, descobriu, restaurou e estudou o esqueleto do dinossauro, que o próprio batizou de Paraphysornis brasiliensis, uma gigantesca ave fóssil, encontrada na cidade de Tremembé, a menos de 8 km de distância do Museu.

A visita ao museu de História Natural de Taubaté proporcionou uma viagem através dos tempos passados, desde o começo da vida no planeta, contemplando todas as Eras e Períodos geológicos até a atualidade.

O acervo reúne milhares de peças interessantes que puderam ser observadas. Dentre elas, as espécies fósseis de grandes dinossauros, de pequenos invertebrados e grandes vertebrados. Referente ao Pleistoceno, época das grandes glaciações, existe a mostra dos gigantes deste período: macrauquênia, toxodonte, preguiça gigante, mastodonte, tigre-dente-de-sabre e seus contemporâneos.  Sobre o período atual, o Holoceno, podemos observar as ricas coleções de aves, mamíferos e répteis preservados pela técnica de taxidermia e ainda, os esqueletos das espécies. Não passou despercebida a linda coleção de insetos com exemplares do mundo todo. Também, muito interessante foi ver a coleção de crânios de hominídeos onde se pode observar a evolução do homem no planeta. Enfim, a visita ao Museu proporcionou aos alunos uma tarde de aprendizado e contato com o conhecimento científico.

A aluna Cecilia Rennó, graduanda do 8° período de Ciências Biológicas contou: “A visita ao museu de História Natural foi fantástica! Fomos privilegiados com a presença do diretor e paleontólogo Herculano Alvarenga que nos conduziu com total atenção em todo trajeto da exposição. Posso dizer que foi uma experiência única, aplicamos na prática todo conhecimento adquirido nas aulas de paleontologia, relembrando todos os períodos geológicos e a história evolutiva do planeta. Saliento também a grande importância histórica da região do Vale do Paraíba, durante a visita conhecemos a riqueza de animais pré-históricos que foram encontrados naquela região, animais estes que ali viveram cerca de 24 milhões de anos atrás. Recomendo que todos os alunos, principalmente os que cursam Ciências Biológicas conheçam o museu, o acervo é extremamente rico e possibilita grande conhecimento”.

A coordenadora do curso de Ciências Biológicas da Fepi, professora Laiz Furlan Balioni explicou: “Com os avanços do processo de globalização atual, internet, modelagem computacional, o perfil dinâmico dos alunos requer para o processo de aprendizagem efetivo, mais do que a sala de aula tradicional com aula expositiva, apenas com lousa. É necessário proporcionar os alunos a oportunidade de visualizar o conteúdo e o Museu de História Natural de Taubaté possibilita essa experiência, trazendo ao alcance dos olhos os conteúdos teóricos aprendidos nas disciplinas de evolução, paleontologia, geologia e zoologia, a visita técnica é uma ferramenta complementar ao ensino e aprendizagem”.

Na visita técnica ao museu, o próprio professor Alvarenga nos recebeu e guiou e explicou toda a exposição do acervo, das técnicas utilizadas, contando sobre a aquisição das peças da coleção e deu uma aula sobre as Eras Geológicas e a evolução das espécies de forma, estimulando os alunos à pesquisa científica e a pesquisa de campo, que o próprio professor Alvarenga realiza até hoje extraindo fósseis no sítio geológico/ paleontológico da bacia sedimentar de Taubaté, no Estado de São Paulo. “A região apresenta uma enorme diversidade de taxa fósseis envolvendo microfósseis, icnofósseis, invertebrados, vertebrados e vegetais preservados sob diferentes processos de fossilização, em sedimentos finos (folhelhos e argilas) de ambiente lacustre de provável idade Oligocena, sendo a ocorrência fossilífera mais importante do Terciário Inferior brasileiro e objeto de visitação e coleta por estudantes e pesquisadores de várias universidades e outras instituições de pesquisa brasileiras. O material procedente de seus estratos está depositado em Coleções Científicas como a do museu de Taubaté, numerosos estudos paleontológicos já foram realizados com material fossilífero desta bacia que se localiza próxima à nossa região e muito ainda deve ser feito, trabalho que poderá ser realizado pelos pesquisadores que estamos formando aqui na Fepi no curso de Ciências Biológicas” concluiu a coordenadora do curso de Ciências Biológicas.
Tour virtual